Norman McLaren (1914 – 1987) foi um diretor e animador escocês, referência mundial quando se fala em cinema de animação e cinema experimental.

McLaren estudou na Glasglow School of Art na década de 30, onde produziu seus primeiros trabalhos experimentais sob a influência do diretor russo Sergei Eisenstein, e do formalismo em voga na época que acabaria por ser característica do trabalho de McLaren para sempre. Nessa época desenvolve a chamada Pixelização, mais conhecida no dias de hoje como a técnica de Stop-motion, com a gravação quadro a quadro gerando a imagem animada na edição, em que o diretor começou a perceber as possibilidades que tais efeitos estéticos produziam.

Durante ainda a década de 30, nos anos pré-Segunda Guerra Mundial, McLaren participou de documentários que retratavam os momentos tensos da política, mas quando a Guerra estourou, ele se mudou para Nova York, como tantos outros artistas e pensadores europeus.

Nos Estados Unidos continuou produzindo, voltando às animações e experimentações. Mas foi mesmo no Canadá, no hoje prestigiado National Film Board, que McLaren suas grandes obras que lhe deram fama.

norman mclaren

E nada foi fácil, a princípio teve dificuldades em arranjar ajudantes, já que o NFB crescia, e o diretor não conseguia dar conta do aumento no trabalho. Muitos dos jovens que poderiam trabalhar em seu estúdio foram mandados para a Guerra. Acabou encontrando outros, ainda iniciantes mas que acabaram fazendo história também no NFB como: Evelyn Lambart, principal colaboradora do trabalho de McLaren; René Jodoin, que chegou a ganhar um prêmio em Cannes e um dos principais nomes franceses no gênero animação; George Dunning, ilustrador e animador que, entre centenas de trabalhos, foi um dos principais nomes do projeto do filme de animação Yellow Submarine dos BeatlesGrant Munro, importante não somente para o NFB, como para o próprio termo Pixelização que é de sua autoria.

McLaren desenvolveu diversas técnicas como a de pintar sobre a película, o trabalho com duas ou mais películas num trabalho de edição preciso (algo hoje em dia feito com qualquer software de edição de video), a sincronização de som e imagens trabalhando de forma poética e ousada com músicos de estilos díspares como música eletrônica ou sintética, música clássica, francesa, indiana, jazz e avant-garde.

Na sua longa carreira, ainda trabalhou para a UNESCO dando aulas de animação na China e Índia. Mas é difícil escolher quais trabalhos exibir nesta coluna em se tratando de alguém tão genial quanto Norman McLaren.

Vamos começar com sua obra mais consagrada e vencedora de um Oscar,  Neighbours de 1952, um curta onde dois vizinhos disputam uma flor que nasce no meio do jardim dos dois, e que tem claramente uma mensagem antiviolência. Lembrando que nesta época a Guerra Fria provocava calafrios na humanidade pela estúpida disputa armamentícia  e de poder entre soviéticos e americanos.

Neighbours – 1952

 

Blinkity Blank – 1955

Que tal brincar de piscar?

 

Dots – 1940

Um dos seus primeiros trabalhos, música sintética, sincronismo.

 

A Chairy Tale – 1957

Nesta sensacional animação, Norman McLaren não consegue fazer amizade com uma cadeira espertinha. A música é de Ravi Shankar, que faleceu recentemente; trabalhou com os Beatles e era pai da cantora Norah Jones.

 

Opening Speech – 1960

Já não bastasse a cadeira, agora um microfone não deixa o destemido McLaren fazer um pronunciamento de abertura.

 

La Merle – 1958

Belíssima animação sobre um pássaro que perde partes de seu corpo e não pode mais cantar. O trio de cantores brilhantemente conta a história do pássaro, mesmo para quem não entende nada de francês percebe o quanto difícil é cantar isso.

 

Rythmetic – 1956

Matemática divertida? Aqui sim!

 

Pen Point Percussion – 1951

Mas como ele fazia tudo isso, para sincronizar imagem e som? O mestre dá umas dicas de sua técnica sobre a película.

 

Dancing with twice himself

Para encerrar, um trabalho de filmagem genial. Não consegui identificar para qual documentário ou especial de TV este pedaço foi produzido, mas perceba o som da câmera registrando os movimentos do artista quadro a quadro. Ah sim, uma das músicas é a 5ª Bachiana de Villa-Lobos e a última do argentino Astor Piazzola.

 

Responda à nossa pesquisa e nos ajude a fazer do blog SOUL ART um portal cada vez mais completo: http://ow.ly/iEgC8

Quer receber nosso conteúdo?
Receba a nossa newsletter

Receba todas as atualizações da SOUL ART!