fbpx

“Foi gravado num daqueles dias em que caia um temporal histórico. O estúdio estava transbordando de água e chuva. Cantávamos e tocávamos em cima de algumas caixas de cerveja e uísque que há muito já havíamos consumido. Estávamos com muita raça, mas também bastante bêbados. Poucos profissionais, até as namoradas, mulheres e amigos participaram da gravação.”

(Baden Powell em carta ao amigo Joel em 1 de novembro de 1990)

O que eu vou escrever depois de ler essa carta de Baden?!

Em 1966, Baden Powell e Vinícius de Moraes deram a luz o LP intitulado Os Afro Sambas. Lançado pelo selo Forma, trouxe ao mundo e as terras tupiniquins, o fruto da parceria gerada pela influência da cultura afro sobre as raízes sambistas da música popular brasileira, colocando em prática uma mistura de instrumentos do candomblé e da umbanda.

O que dizer sobre esse disco?

Tem um clima sombrio por trás de tudo, nada ali é mentira. Consigo sentir a verdade em tudo, o verdadeiro sentido do amor. O melhor backing vocal feminino que eu já ouvi na vida estão presentes nesse disco. O reverb da gravação ecoa na minha cabeça toda vez que escuto e sem falar no violão de Baden que parece uma banda de doze pessoas.

Pode ser tocado em qualquer lugar do mundo, é um disco espiritual e essencial nos rituais da vida. De fato, Os Afro Sambas tem um grande peso simbólico, tão ideológico quanto musical e poético.

“É onda que vai, é onda que vem. É a vida que vai, não volta ninguém.”

Firme no surdo moçada, papo firme.

Quer receber nosso conteúdo?
Receba a nossa newsletter

Receba todas as atualizações da SOUL ART!