fbpx
Перед большинством заёмщиков всегда встаёт вопрос, какую организацию-кредитора выбрать? На рынке очень много предложений оформить займ онлайн. Как не попасть на мошенников, с которыми придётся расплачиваться всю оставшуюся жизнь? Конечно, в подобной ситуации лучше всего обратиться к профессионалам: credit-n.ru/zaymyi.html. Именно на этом ресурсе вы сможете получить профессиональную и бесплатную консультацию по всем вопросам займов, микрозаймов и кредита. Именно здесь вам помогут оформить онлайн займ на карту без залога и поручителей в надёжной микрофинансовой компании.

Maio de 1974. “Esse é meu novo disco, que tem por título A Tábua De Esmeralda que foi onde começou toda alquimia e… eu faço nele uma alquimia musical.” Assim, o novo LP de Jorge Ben foi apresentado para o mundo. E o mundo nem imaginava o que estava por vir.

Jorge não é só um dos maiores músicos brasileiros – se não o maior deles – mas o mais inventivo e o mais legitimamente brasileiro (sem clichês e resoluções óbvias) deles. Algumas vezes esquecido ou desvalorizado por algum motivo que até hoje não entendo, sua obra marca intrinsecamente a cultura brasileira, fazendo de algumas canções, espécies de hinos que são cantados (de cor) há mais de 40 anos.

Em 1973, depois de lançar a coletânea Dez Anos Depois, que trazia tríades de pout-pourris de letras simples como A Minha Menina/Que Maravilha/Zazoeira ou País Tropical/Fio Maravilha/Taj Mahal, Jorge buscava uma filosofia para sua música. Uma filosofia que não o deixasse fugir de suas raízes – religiosas, inclusive – nem que o afastasse do samba-rock e do swing característicos de suas melodias. Mas, para isso, ele precisava buscar algo mágico e acabou encontrando a alquimia.

Pois então, um samba-alquimista? Sim, e com muita grandiosidade musical. Nunca a viola de Jorge Ben soou tão original, tão prolífica e eficiente como em A Tábua de Esmeralda. Os Alquimistas Estão Chegando Os Alquimistas, a primeira canção do disco, dá o ar de ser um álbum ‘ao vivo no estúdio’. Inicia-se com as falas nada discretas e silenciosas de Jorge dando as coordenadas: “Salve… não, não, senta, pra sair legal. Então, tem que dançar dançando…”. Tudo é tão descompromissado que a música vem de uma forma natural, como se fosse absolutamente associável ao artista. Nessa canção, aliás, algo de arrepiar-se é quando canta o saudoso Ben “eles são discretos e silenciosos”, que, de forma ensandecida, se segue uma percussão muito bem encaixada, unindo os elementos musicais ao culto alquímico.
Seguindo a mesma linha de As Rosas eram Todas Amarelas, de seu álbum anterior, Ben (1972), a segunda faixa, O Homem da Gravata Florida, é uma bem humorada canção que traz o apreço pela beleza, algo que Jorge sempre ressalta em suas canções sem soar enjoativo. Eu Vou Torcer também é um grande exemplo de como o cantor traz elementos diferenciados sem deixar de ser brasileiro. Talvez o mais brasileiro dos músicos, como já disse.

Errare Humanum Est é praticamente uma psicodelia espacial. Ben canta como quem está em algum lugar na atmosfera, revelando o interesse dos alquimistas pelo conhecimento das estrelas. Como referência de composição, Jorge teve o livro de Gabriel García Marquez, 100 Anos de Solidão, narrando uma viagem alucinante com suas seis cordas e com os misteriosos conhecimentos dos pergaminhos de Melquíades. Como se o conhecimento fosse algo que está além da localização geográfica do homem.

Outra bela contribuição da alquimia é a canção Hermes Trismegisto e Sua Celeste Tábua de Esmeralda, escrita em parceria com Fulcanelli. Parece surreal quando Jorge diz ver “as três partes da filosofia universal”. Muito além de surreal, parece um delírio, algo totalmente fora da normalidade. É como se Hermes, o personagem da canção, fosse o escolhido para disseminar o conhecimento milenar e Jorge Ben assimilasse muito bem essa divindade com seus acordes únicos e sua entrega vocal à alquimia. Uma interpretação fora do comum. Já quase ao final do disco, encontramos Brother, que sintetiza toda a religiosidade de Ben. Ele faz dos religiosos mal resolvidos até os ateus mais fundamentalista crerem e cantarem repetidamente “Jesus Christ is my Lord”, sendo levados por uma das mais belas melodias já feitas na música.

Mas a grande surpresa de Jorge Ben vem com Cinco Minutos. Nela, a interpretação de Jorge beira o impossível, o inimaginável. A canção fala de um encontro com uma mulher que não deu certo. Mas a voz de Jorge soa tão verdadeira, que realmente parece que ele preparou uma peça de teatro. Jorge consegue tornar o momento real, como se estivesse se lamentando pela perda do encontro de forma excêntrica – e ao mesmo tempo pueril – porque sua desejada não quis esperar cinco minutos. Jorge consegue ser mais emocional que técnico, sem deixar de lado sua habilidade como violonista, que se torna explícita em cada canção do disco.

Sem esquecer de sua condição de negro de raízes escravocratas, Jorge exalta com orgulho o grande revolucionário negro na faixa Zumbi. E não deixa de lado as nações africanas que também contribuíram para a formação da miscigenação brasileira, ao citar Angola e Congo. É uma negritude que Jorge sabe que está incorporada em cada vinco da cultura brasileira e ninguém mais adequado para representar essa força racial que Zumbi dos Palmares.

Isso sem contar as suas belas narrativas para a mulher brasileira, como Menina Mulher da Pele Preta e Magnólia, que sempre soaram magistrais na voz do cantor que adora exalta as belas raparigas.

Ou seja, o potencial de Jorge se multiplica em uma obra só. Alquimia, negritude, positivismo, interpretação vocal, belas melodias. Talvez, A Tábua de Esmeralda seja a principal reinvenção de Jorge na música brasileira, soando natural ao mesmo tempo em que nunca é previsível, tampouco banal.

CURIOSIDADE

Depois de o álbum gravado, Roberto Menescal – o então produtor musical da Phonogram/Phillips – ligou para Jorge para dizer que a primeira prova do disco estava pronta e disse também que todos na gravadora haviam adorado o novo disco. Jorge, ansioso para ouvir o resultado, pediu a Menescal que o deixasse ouvir pelo menos uma vez e ele acatou. Logo depois, ele telefonou para Menescal e disse: “Por mim, está ótimo. Eu só não sei se o cara lá do outro lado vai gostar”. “Como assim, Jorge?”, perguntou Menescal. “É que de um lado é o meu disco, mas do outro colocaram Beethoven!”.

 

Jorge Ben – A Tábua de Esmeralda by Vitor Ranieri on Grooveshark

Quer receber nosso conteúdo?
Receba a nossa newsletter

Receba todas as atualizações da SOUL ART!