“Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida”. Essas singelas palavras de Carlos Drummond de Andrade algumas vezes foram encaradas com ceticismo diante de tantos casos de amor, mas na trilogia do cineasta Richard Linklater fica claro que às vezes aquela “cambalhota” no coração pode significar muitas coisas.

O diretor de Waking Life (2001), Richard Linklater encerra ou reinicia a história do casal mais apaixonante dos últimos 18 anos do cinema. A trilogia desse romance que começou com Antes do Amanhecer (1995) apresenta os jovens Celine (Julie Delpy) e Jesse (Ethan Hawke) num trem rumo à Viena, em que o encontro de dois desconhecidos poderia mudar o rumo de suas vidas.  Dois jovens na faixa dos 20 anos, trazendo na bagagem histórias do passado resolvem descer do trem e dar uma volta pela cidade até o sol nascer.

Celine e Jesse se apaixonam, ela francesa, ele americano, separados por um oceano. E por que não arriscar e vagar pelas ruas da cidade em nome de uma sintonia que começou numa conversa no vagão de trem, para discussões mais filosóficas acerca das dúvidas e ensinamentos da vida? Corações jovens, com a sede da paixão e a impressão de que tudo é possível. Depois do longo passeio, a hora da separação, será que ficarão juntos?

O segundo, Antes do Pôr do Sol (2004) responde as dúvidas dos românticos, porém Jesse está casado e com filho, e acabou de lançar seu livro contando sobre a noite em que passou com Celine. Agora o casal está na casa dos 30, ambos mais experientes, cada um com seu relacionamento e inquietações particulares. Ela vai à sua procura na livraria, eles se reencontram e os olhares ao longo do filme mostram ao espectador que alguma coisa no passado não terminou.

A tarde vai se pondo em Paris, e o casal conta o que fez nos últimos nove anos, e o porquê de não terem se reencontrado. As realizações e as dúvidas permeiam toda a trama, mas o carinho com que eles se tratam, transpassa que não importou o tempo, e sim o sentimento que ficou guardado todos os anos.

No terceiro, Antes da Meia-Noite (2013), o casal agora aos 40 anos se casou e tem filhas, mas se estão juntos, por que o tema ainda é reencontro? Quem vai às salas de cinema, se sente confortável na conversa do casal, como se fizesse parte da intimidade de Jesse e Celine. A compatibilidade e espontaneidade dos atores Julie Delpy e Ethan Hawke traz beleza a esses personagens que se amam ao longo de todos esses filmes, diante de tantos encontros e desencontros.

As crises da quase meia idade se aproximam, mas se vê a admiração no cantinho dos olhos de Jesse ao observar sua esposa caminhar, assim como o carinho emanado por Celine ao estar com o marido. A trilogia se encerra com mais maturidade, permeia temas do cotidiano como cuidar dos filhos, organizar as férias e preparar a comida, mas reflete sobre o envelhecer, o companheirismo, a morte e, sobretudo mostra que as brigas, as brincadeiras e principalmente a conversa são fundamentais para que as relações funcionem.

Um filme romântico, em que Jesse e Celine se transformam em personagens reais de muitos dos romances verdadeiros, em que apenas aqueles que se deixam amar percebem o significado de estar de alma aberta para a vida e por mais que seja difícil em determinados momentos, o que importa é construir a relação e não deixar o amor passar.

 

Antes da Meia-Noite

Quando? Em cartaz nos cinemas

Onde? Verificar sua cidade

Quanto? Preços variados (inteira/meia)

Quer receber nosso conteúdo?
Receba a nossa newsletter

Receba todas as atualizações da SOUL ART!