Cariocas de plantão, cinéfilos, ambientalistas, curiosos e simpatizantes que se preparem, pois começou ontem (03/10) o 10ª FICA no Rio. Trata-se de um festival de cinema ambiental, e esse ano serão exibidos filmes vencedores do FICA – Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental de Goiás (terceiro maior do gênero na América Latina), que ocorreu entre junho e julho deste ano.

“FICA: ação que combina história, cultura, meio ambiente e cidadania”. Originário de Goiás em 1999, idealizada por Luiz Felipe Gabriel, Jaime Sautchuk, Adnair França e Luís Gonzaga e com coordenação do cineasta João Batista de Andrade, o FICA vai além do cinema, pois proporciona uma programação multicultural. Assim, são exibidos espetáculos, música, dança, teatro e literatura, que valorizam a importância da cultura, do meio ambiente e da cidadania.

Para quem esta no Rio de Janeiro, além das sessões, haverá debate com profissionais de diversas áreas que irão abordar as principais questões ambientais da atualidade. Essa é uma oportunidade para ver e ouvir os experts falando quem sabe nas recentes mudanças do Código Florestal brasileiro, e por que não a Rio+20?

Neste ano teremos três filmes brasileiros em destaque:

— Paralelo 10, de Silvio Da-Rin, que nos mostra o retorno do sertanista José Carlos Meirelles ao Acre, e relembra a discussão com os povos indígenas Madijá e Ashaninka sobre a melhor maneira de lidar com índios bravos.

— Desterro Guarani é um filme feito pelos próprios índios Patricia Ferreira e Ariel Ortega, com codireção do francês Vincent Carelli. Nada melhor do que assistir a um filme de temática indígena, feito, gravado e editado por quem pertence e representa um povo.

— Dia estrelado, de Nara Normande, nos conta a história da sobrevivência de um menino e sua família em uma região desfavorecida.

Entre os convidados do FICA no Rio, estão André Trigueiro, Sérgio Besserman, Jorge Yammine, Carlos Minc, Bruno Boni, Celina Carpi, Vera Chevalier, Mônica e Cael Horta, Adriana Gryner. Consumo, reciclagem e temática indígena são alguns dos temas que permeiam essa mostra, que além de informar, nos conscientiza para um mundo em que não apenas a esfera capitalista determina mais o jogo. Então bora lá curtir, aprender e refletir sobre nosso “consumo insustentável”?

Quer receber nosso conteúdo?
Receba a nossa newsletter

Receba todas as atualizações da SOUL ART!