Diário de Pedradas: The Congos – Inna de Yard

The Congos

Há músicas que são meticulosamente pensadas, com cada nota e cada virada no lugar, exaustivamente ensaiadas, e produzidas em estúdio com riqueza de detalhes. Essas costumam ser boas músicas. Já outras carregam consigo o improviso e a viagem, sendo produto do encontro de mentes em um determinado momento – algo como um ritual. Essas são aquelas que eu mais gosto. Especialmente em se tratando de reggae: os louvores do nyahbinghi, com vozes dançando sobre os tambores, e os espíritos se comunicando; essa é a música que acalma o meu coração e leva minha mente pra passear.

the congos

De todas as bandas da ilha, o trio vocal The Congos sempre foi o que mais provocou tais sensações em meu coração. Não sei se pelo “reggae de pescadores”, simples como o balanço do barco e o barulho do mar, ou pelo encontro tão harmônico entre as vozes de “Ashanti” Roy Johson (tenor), Cedric Myton (falsete) e Watty Burnett (barítono). Inna de Yard é uma reunião dos vocais do Congos com outros monstros da música jamaicana, uma jam completamente espiritual realizada no jardim do guitarrista Earl “China” Smith, cujo curriculum vai de Burnin Spear à Bob Marley. É música de Jah!

Por destino ou por não ser nenhum craque no futebol, começou a escrever desde cedo. Deitado em um dos gramados do Museu do Ipiranga, conheceu A Tábua de Esmeraldas e o violão de Jorge Ben, encontro que o motivou a imaginar um futuro onde ouviria discos e escreveria sobre eles. Antes de ingressar na faculdade de Jornalismo, foi obrigado a trocar as salas de Ciências Sociais pelas fileiras do Exército Brasileiro. Gosta de sofrer com o Palmeiras, filmes coreanos e os chiados de sua vitrola Polyvox.

2 Comentários para "Diário de Pedradas: The Congos – Inna de Yard"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *