Musical “É samba na veia, é Candeia!”, a história contada no palco

Espetáculo musical estreia curta temporada nesta quarta-feira, 18, no Teatro Oficina Uzyna Uzona, Bela Vista.

Ilustração por Bruno Will

O samba traz no seu simbolismo uma complexa atmosfera saudosista que volta e meia recoroa os baluartes de outrora. Munida deste elemento, a peça “É samba na veia, é Candeia!” traz à tona a inesquecível obra deste renomado compositor portelense.

O espetáculo reconta parte da história de Antonio Candeia Filho (1935-1978), respeitado sambista carioca cuja linhagem musical se perpetuou nas paredes da memória. O texto, de Eduardo Rieche, é dirigido por Leonardo Kasarek e conta com o encontro dos atores da Companhia Alvorada com os músicos do Terreiro de Mauá.

Para além da rememorização das polêmicas histórias de Candeia, que era conhecido pelo pavio curto, a peça busca evidenciar o papel do samba no que diz respeito ao combate e à resistência em relação à mazelas como o racismo e a intolerância.

Elenco da peça/Foto por Osmar Moura

Recentemente, foi incluída na matéria “Crowdfunding: A nova aposta do Samba”, publicada em 13 de setembro pela SOUL ART, a campanha de financiamento coletivo que buscava recursos para a veiculação da obra.

Foram arrecadados até o dia 15/10 – último dia da campanha – 27% do valor estimado. De toda forma, a peça será veiculada.

Os ingressos da estreia já estão esgotados, mas você pode adquirir as entradas das próximas datas clicando aqui.

É SAMBA NA VEIA, É CANDEIA!

Local: Teatro Oficina Uzyna Uzona – Rua Jaceguai, 520, Bela Vista

Data: Em cartaz de 18/10 à 09/11

Horário: Quartas e quintas-feiras, às 21 horas

Entrada: R$40,00 inteira e R$ 20,00 meia

Escritor e compositor sob a alcunha de Dentinho Poesia, Yuri Dinalli é um paulistano apaixonado pelas idiossincrasias da terra da garoa e amante escancarado da cultura popular. Estudante de jornalismo, geminiano, roteirista e notívago, é também integrante do Terreiro de Compositores, movimento de sambas autorais que há 6 anos dá voz à música marginal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *