fbpx
Перед большинством заёмщиков всегда встаёт вопрос, какую организацию-кредитора выбрать? На рынке очень много предложений оформить займ онлайн. Как не попасть на мошенников, с которыми придётся расплачиваться всю оставшуюся жизнь? Конечно, в подобной ситуации лучше всего обратиться к профессионалам: credit-n.ru/zaymyi.html. Именно на этом ресурсе вы сможете получить профессиональную и бесплатную консультацию по всем вопросам займов, микрозаймов и кредита. Именно здесь вам помогут оформить онлайн займ на карту без залога и поручителей в надёжной микрофинансовой компании.

Não é de agora que acompanho o trabalho de Marco Nalesso & A Fundação, banda de música experimental fundada na cidade de Santo André, ABC Paulista. Tenho ótimas lembranças de shows e performances em exposições artísticas, eventos culturais, festas em casa de amigos e baladas. Todas essas lembranças confirmam como é nítida a evolução da banda, que cumpre nobremente o que se propõe a fazer: experimentar vertentes musicais e realizar uma troca com quem está ouvindo ou assistindo uma apresentação. Afinal, música é para se sentir. Principalmente quando falamos de música instrumental, que pela ausência de uma letra ou poesia, nos deixa a possibilidade de guiarmos o som para o que realmente estamos sentindo no momento. Ou seja, há uma troca sincera.

Recentemente, disponibilizaram para download no site da banda o novo álbum Três Vezes Grande, e na sequência, um clipe estava esfumaçando as redes sociais e sites especializados em música independente. A faixa escolhida para o vídeo foi Macumba/Toró, e claro, não tinha como não entrevistar os envolvidos pela produção.

Com vocês, o resultado dessa experimentação audiovisual e uma explicação de como tudo aconteceu:

Direção: Eduardo Ribeiro, Felipe Fel e Luciano Maekawa / Fotos de Making Of: Gabi Pessoa

Porque Macumba/Toró foi a música escolhida para o primeiro clipe?

Eduardo Ribeiro: A ideia toda partiu de uma proposta que eu e o Fel tínhamos de fazer 5 vídeos curtos, de um minuto mais ou menos, para cada uma das músicas do disco. Era uma ideia conceitual de mostrar alguma sensação, uma impressão ou sentimento que é sugerido ao se escutar as músicas. Cada um tem suas próprias impressões, e isso é um trabalho difícil. Quando apresentei a ideia pra banda eles curtiram, mas daí, como nunca paramos de propor coisas novas, surgiu o assunto de fazer apenas um vídeo e esse ser o clipe. Macumba, particularmente, era pra mim a mais bonita entre as 5 ideias e também minha música favorita do disco, e acho que isso pesou um pouco, pelo menos de minha parte, pra insistir na ideia de que fosse essa…rs Ela é uma música cheia de climas, de mudanças, e com certeza isso já sugeriria um trabalho lindo.

O que é Macumba/Toró e o que representa para a banda?

Rafael Cab (Bateria): Pra mim Macumba/Toró é praticamente uma onomatopeia, são palavras para registrar o som e os sentimentos que ela carrega. Uma crescente percepção da minha sensibilidade em relação ao que está acontecendo no momento em que ela é tocada.

Marco Nalesso (Guitarra e Efeitos): Para cada um da banda tem um significado, é tipo um estado de espírito. Hoje pode significar algo, mas amanhã pode significar outro. É a ida ao espaço, é a busca ao infinito. É a força bruta, é o toró de sentimentos que cada um tem dentro de si mesmo.

Yuri (Percussão) e Eduardo Ribeiro (Direção de Arte)

Como foi o processo criativo e a produção do clipe?

Eduardo Ribeiro: Cara, falar de processo criativo com a gente é entrar em um assunto à parte. A gente se envolve em tudo, porque acreditamos nas pessoas, e não só nas suas especialidades. Todos dão ideias, todos compartilham, cada um com sua bagagem e suas referências. A minha ideia inicial, por exemplo, era apenas uma mulher olhando para a câmera e expressando sentimentos fortemente só através do olhar, em certos momentos ela aparecia dançando e daí tudo isso era uma troca: o que ela expressava influenciava na dança e vice-versa. Essa ideia foi sendo ampliada junto de todo mundo. E quando eu digo todo mundo, falo de todos que estão ali na ficha técnica, sem restrições. No dia da filmagem o Yuri me chega com aquela máscara maravilhosamente horrível, e a coisa já tomou outro rumo. O Bieto chegou com os cabides, a estrutura toda, as fitas. Todos sabiam o que queriam, mas ninguém sabia onde aquilo ia parar, e acho que isso é o mais prazeroso desse processo todo: as descobertas. Sejam elas de nós mesmos, do trabalho, o conhecimento do outro. Tudo é uma troca muito intensa.

Rafael Cab: Pra mim foi engrandecedor, senti que depois desse trabalho dei um passo a frente em relação aos trabalhos envolvendo o grupo todo, justamente por essas trocas e pela intensidade como elas acontecem, todo mundo envolvido nesse trabalho é muito experiente, capaz, provocador. Foi um desafio pra mim, aprendi muito com todos.

Rafael Cab (Bateria)

Quais serão os próximos passos da banda?

Rafael Cab: Trabalhar o disco Três Vezes Grande, que acabou de sair, estudar, produzir novos materiais e trabalhar mais e mais, estamos no apetite!

Marco Nalesso: Transformar metais em ouro (rs). Como diria Joe Coleman, acredito que, ao tentar transformar metais grosseiros em ouro, os alquimistas queriam transformar sofrimento em arte. Estamos fazendo a tuor do disco Três Vezes Grande e correndo atrás de editais, patrocínios, shows, e todo tipo de arte que podemos nos encaixar. Estamos ensaiando novas músicas e em breve gravaremos um EP com sons que ficaram de fora da gravação do disco.

Não posso esquecer de agradecer a todos que fizeram parte desse trabalho: Luciana Araujo, Carol Navarro, Rafael Cab, Luciano Japa, Roberto Bieto, Eduardo Ribeiro, Yuri Braga, Felipe Fel e Gabi Pessoa.

Quer receber nosso conteúdo?
Receba a nossa newsletter

Sobre o autor

Jornalista

Paulistana, 26 anos, jornalista, apaixonada por livros, teologia, história, medievalismo e tudo o que o envolve. Escritora nas horas vagas em seu blog pessoal "Condado Encantado", onde aborda temas como paganismo, mitologia, simbologia, esoterismo, oráculos, teorias conspiratórias, entre outros. Em 2016 escreveu seu primeiro livro, resultado de um Trabalho de Conclusão de Curso, sobre artistas de rua. Gostou tanto da experiência que já está pensando nos próximos.

Receba todas as atualizações da SOUL ART!