Do artista Michael Langan, apresentamos “Choros” – explorando os limites do corpo

choros-1

Como toda criação divina, o ser humano vem fazer jus à beleza que representa. É indescritível a capacidade do corpo em explorar seus limites. Admirável a sensibilidade de um artista, ao traduzir e compartilhar a visão privilegiada do “mundo individual” que possui.

Comigo carrego um apego a cada peça artística que encontro. É deliciosa a mágica do novo contato. Cada peça proporciona perspectivas completamente diferentes de uma realidade já explorada. A riqueza de um artista está na permanência de sua individualidade, quanto à interpretação do mundo.

choros-2

Dividindo únicos movimentos em 32 partes sequenciais, o diretor e artista Michael Langan deixa nítida a hipnose existente em seu mundo individual, traduzindo seu campo de visão, em cada movimento da bailarina Terah Maher. Michael trabalha a beleza e a emoção do corpo, criando uma direção fotográfica lacrimejante. Choros é o nome da peça do diretor, e a viagem dura lindos eternos 13 minutos.

choros-3

Aproveite!

Damaris. Mais um pensamento utópico espalhado no mundo. É daquele tipo escancarado coração em poesia. Ativista do amor, encontra na arte e meditação a salvação de mundos através da alma. Damaris tenta ilustrações, palavras e cores para expressar “a angústia", como Fernando Pessoa. Damaris, assim como você, pode ter nascido como resposta à "dor de perceber", de Elis Regina e mudar enfim o cenário. Amante da psicologia, publicitária e louca, através da criatividade e espírito de união, veio somar coisas ao mundo. Mas só as que vêm do coração.