Mestres da Soul revivem a época de ouro da música negra

selecionadas-para-o-post-mestres-da-soul-07

“Que tempo bom, que não volta nunca mais”. Nos últimos dias 19 e 20 de novembro durante a festa Mestres da Soul, promovida pela Boia Fria Produções em comemoração ao Dia da Consciência Negra, o tão conhecido refrão de Thaíde deixou de fazer sentido por algumas horas. Com a presença de ícones como a banda Black Rio, Hyldon, Tony Tornado, Gerson King Combo, Lady Zu, Di Melo, Paulo Diniz, Carlos Dafé e Luis Vagner, a época de ouro da black music brasileira foi mais do que relembrada, foi revivida por quem compareceu à Praça das Artes, região central de São Paulo.

selecionadas-para-o-post-mestres-da-soul-06

Alguns dos maiores nomes de nossa música estavam lá, colocando a conversa em dia nos bastidores, improvisando parcerias no palco, desfilando — em sintonia perfeita com a Black Rio — sua sonoridade, suas raízes. Precursores do orgulho de cor e cultura que alimentou o surgimento do Hip-Hop por aqui, os Mestres da Soul puderam receber o devido carinho e reconhecimento do público — de crianças que balançavam nos ombros de seus pais ao som do groove, aos jovens dos anos de 1970 que puderam tirar suas coreografias do armário.

selecionadas-para-o-post-mestres-da-soul-08

selecionadas-para-o-post-mestres-da-soul-09

Eram os samples dos raps que hoje representam a juventude, tocados organicamente, com soul e o mesmo punch de outras épocas. Que o digam Gerson King Combo (vestido como um autêntico Mestre da Soul), a diva Lady Zu, o pernambucano Di Melo (acompanhado pela brilhante Gabi, sua filha, de 7 anos) e o guitarreiro Luis Vagner (assim apelidado por Jorge Ben), que transportaram os presentes direto para as pistas efervescentes dos bailes Black de outrora — como em um episódio do programa Soul Train. Rolou até uma canja não ensaiada do carioca Bnegão, que foi para assistir e acabou participando com King Combo e depois Di Melo.

selecionadas-para-o-post-mestres-da-soul-05

selecionadas-para-o-post-mestres-da-soul-10

Foram dois shows carregados de sentimentos, que proporcionaram momentos inesquecíveis como os hinos de Dafé e Hyldon sendo cantados em uma só voz, marejando os olhos e derrubando as barreiras entre os corações. Dafé com a clássica “Pra Que Vou Recordar o Que Chorei” e o soul gospel “A Cruz”, e o velho camarada Hyldon com o romantismo lisérgico de “Na Sombra de Uma Árvore” e a tão pedida “Na Rua, na Chuva, na Fazenda”.

selecionadas-para-o-post-mestres-da-soul-03

 

selecionadas-para-o-post-mestres-da-soul-02

Além deles, Paulo Diniz, mesmo com as dificuldades impostas por problemas de saúde que limitaram seus movimentos, emocionou o público ao cantar um de seus maiores sucessos como intérprete, a balada “Como?”, escrita por Luis Vagner — que acompanhou o amigo durante a canção. Maior do que o corpo é a alma de um grande artista.

selecionadas-para-o-post-mestres-da-soul-01

Grande precursor de toda essa história, a apresentação de Don Tony Tornado foi um dos pontos altos da festa. Com seus inacreditáveis 83 anos de swing e atitude, o cantor mostrou que a força do Black Power ainda o acompanha – aplaudido pelo público, admirado por todos os outros Mestres. Ao lado da Black Rio, a melhor banda de apoio que um show assim poderia ter, Tony Tornado resgatou a vencedora do Festival Internacional da Canção, “BR-3”, e a emblemática “Podes Crer Amizade”.

selecionadas-para-o-post-mestres-da-soul-04

No feriado criado para homenagear a luta do povo negro, a Mestres da Soul reuniu autênticos representantes desse bom combate, homens e mulheres que enfrentaram o racismo da sociedade e conseguiram mostrar ao mundo a força e a beleza de sua cultura. Mais do que isso: a arte de cada Mestre convidado apenas refletiu o brilho de tantos outros Sebastiões, Paulos, Cassianos, Wilsons, Elzas e Jorges menos conhecidos, que provam seu valor diariamente longe dos palcos.

MAX

A SOUL ART agradece à Boia Fria Produções pela iniciativa, à Revista Efêmero Concreto pela parceria, à Fundação Theatro Municipal, aos artistas envolvidos e a todos que compareceram nessa festa histórica.

selecionadas-para-o-post-mestres-da-soul-11

Confira como foi:

Por destino ou por não ser nenhum craque no futebol, começou a escrever desde cedo. Deitado em um dos gramados do Museu do Ipiranga, conheceu A Tábua de Esmeraldas e o violão de Jorge Ben, encontro que o motivou a imaginar um futuro onde ouviria discos e escreveria sobre eles. Antes de ingressar na faculdade de Jornalismo, foi obrigado a trocar as salas de Ciências Sociais pelas fileiras do Exército Brasileiro. Gosta de sofrer com o Palmeiras, filmes coreanos e os chiados de sua vitrola Polyvox.

2 Comentários para "Mestres da Soul revivem a época de ouro da música negra"

    • Fabio, como gostaríamos de ver o mestre Cassiano nesse show. Infelizmente ele está afastado dos palcos há algum tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *