Sinestesia – Disco começa pela capa: Flynn Flynn Flynn Flynn Flynn

Salve! Começo hoje como colaborador aqui no SOUL ART com a coluna Sinestesia – Disco começa pela capa. A proposta da coluna começou tomar forma desde que a banda Marco Nalesso e A Fundação me convidou pra fazer o trampo de direção de arte do novo disco dos caras. Na minha busca por referências, comecei a entrar nesse universo que é o design de capas. A vontade de compartilhar minhas impressões sobre aqueles que são os olhos da música resulta nos posts que seguem a partir de hoje. Bora?

E, como post de estreia tem que ter todo aquele marketing que lhe é necessário, resolvi estreiar com uma pedrada.

Mingus Mingus Mingus Mingus Mingus nem foi o primeiro disco que ouvi dele, mas olhar essa capa é ter certeza de que não é um disco qualquer. Pra quem conhece o som do Charles Mingus, sabe que é de uma elegância absurda com pitadas de viagens, improvisos e mudanças, além dos famosos gritos dos integrantes ao fundo que dão o maior feeling.

E é por isso que o Robert Flynn é gênio. Ele é daqueles designers que não querem fazer o melhor trabalho do mundo, só querem fazer o melhor trabalho. Essa capa é praticamente uma consagração da percepção de um conceito musical traduzida para o visual. Basta olhar para sacar que tudo o que as músicas sugerem está alí. Quer entender melhor? Coloque o disco pra tocar e fique observando a capa. Enquanto a elegância da música predomina, existe a sensação de que a qualquer momento vai acontecer alguma loucura. E na hora da loucura, você é chamado pra simplicidade. Aí você pecebe que é isso que essa capa faz. O respiro generoso, o riso sincero capturado na foto e a tipografia que quebra nossa cabeça. E o mais genial da capa na minha opinião é que há uma troca de olhares. Mingus olha a tipografia como olha a sua banda. Isso é o que traduz em recursos básicos o som genial de Mingus Mingus Mingus Mingus Mingus.

Se você ainda não ouviu, ouça. E se quer conhecer outros trabalhos de Robert Flynn chore com outras capas que ele fez.

Convenhamos: trabalhar com as fotos do Joe Alper é meio trabalho feito pra qualquer designer. Mas isso fica para um próximo post.

Eduardo Ribeiro é designer gráfico, comunicador e gestor cultural independente. Com 6 anos de idade pedia pra irmã colocar o Kill ‘Em All do Metallica e o resto da história vocês podem imaginar. Atualmente escreve a coluna “Sinestesia – Disco começa pela capa” aqui no Soul Art e atua como diretor de arte da banda Marco Nalesso e A Fundação e do Coletivo Marte e nunca se afasta da música simplesmente porque é impossível.

4 Comentários para "Sinestesia – Disco começa pela capa: Flynn Flynn Flynn Flynn Flynn"

  1. Coluna muito boa, abordar a música e o design por essa perspectiva é algo que da muito pano pra manga, desde desse primeiro post já virei fã.

    Parabens Du, Gabriel e todos envolvidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *